Os seres humanos têm dois tipos de dentição, a dentição de leite e a permanente. Porém, com os avanços da tecnologia, já é possível ter a terceira dentição através do implante dental.

COMO É FEITO?

Quando acontece a perda dos dentes permanentes, seja uma perda individual, múltipla ou muitas vezes total, o organismo não tem como repô-los novamente, e é justamente onde se inicia o tratamento de reabilitação dos dentes perdidos. Um implante é um cilindro confeccionado em titânio (que é um metal inerte ao organismo humano) que, após instalado nos ossos da maxila e mandíbula, é similar a raiz de um dente. Por ser compatível com os tecidos orgânicos, uma vez instalado no osso, o implante não provoca reações alérgicas ou rejeição. Após o implante estar integrado ao osso, confecciona-se sobre sua plataforma, a coroa do dente perdido, que poderá ser cimentada ou parafusada.

A cirurgia para instalação de implantes dentários é simples e rápida, com uma média de 15 minutos para cada implante instalado. Este tempo é decorrente a um planejamento pré-cirúrgico minucioso e demorado, ou seja, há uma série de protocolos a serem seguidos para que se tenha rapidez e o sucesso do caso.

CIRURGIA GUIADA

Implantes dentários já podem ser instalados sem que haja necessariamente incisões (corte com a lâmina). As perfurações acontecem apenas pela própria broca. É necessário que os pacientes saibam que essa técnica tem sido usada a mais de 30 anos (FLAPLESS) e foi sofisticada com o uso da tomografia tridimensional e impressão em prototipagem do osso remanescente. O pós-operatório apresenta o mesmo cuidado do que a cirurgia tradicional. As vantagens que o paciente pode encontrar por meio deste procedimento são: redução do tempo cirúrgico, planejamento integrado prótese implante já no protótipo, recuperação no pós-operatório poderá ser melhor e não há necessidade de pontos.